6 ótimos filmes que estão no Globo de Ouro 2018!

Hoje é dia de premiação! O Globo de Ouro 2018 vai ao ar a partir das 21h. Já fez suas apostas? E suas listas? Listar apenas 6 filmes parece injustiça com os outros, porém entre eles existem alguns destaques que merecem ser vistos de imediato. Hoje, para acompanhar a data, listei 6 ótimos filmes que assisti e estão concorrendo nas premiações! Infelizmente, ainda não vi nenhum dos estrangeiros, mas logo terá uma lista especial para eles! Confira a lista abaixo e nos acompanhe na live do youtube ás 22h. Te vejo lá!

6. Com Amor, Van Gogh (Loving, Vincent. 2017)

Um dos grandes filmes que tive muito prazer em assistir no ano passado, Loving, Vincent conta com a jornada de um mensageiro que durante sua busca pelo irmão de Van Gogh, acaba passando por vários momentos da vida dele, desde sua infância até sua morte, através das pessoas que encontra durante o caminho. É um belíssimo filme que concorre na categoria de Melhor Animação, com muitas chances de sair vencedor. Se depender de mim, o prêmio é dele.

5. Três Anúncios Para um Crime (Three Billboards Outside Ebbing, Missouri, 2017)

Três Anúncios Para um Crime conta a história de Mildred Hayes, que aluga três Outdoors para tentar incentivar – ou intimidar – a polícia da cidade a resolver o assassinato de sua filha, que até o momento estava arquivado, sem acusações. O filme usa de um belíssimo tom sarcástico para contar essa história triste, muito se deve ao fato de todos os atores estarem inspiradíssimos. Seus tons de humor não deixam a história galhofa e nos deixam mais reflexivos do que qualquer outro diálogo complexo. Vale muito a pena. O filme concorre a Melhor Filme de Drama, Melhor Atriz de Drama para Frances Macdormand, Melhor Ator Coadjuvante para Sam Rockwell , Melhor Diretor para Martin McDonagh, Melhor Trilha Sonora para Carter Burwell e Melhor Roteiro. Tem muita chance de sair com algum desses prêmios.

4. Eu, Tonya (I, Tonya, 2017)

Um dos filmes mais bem feitos de 2017, sim ou claro? Eu, Tonya conta a jornada de Tonya Harding, como uma promissora patinadora, sendo campeã do Campeonato de Patinação no Gelo do Reino Unido e segunda colocada no campeonato mundial. Vou falar somente até aqui, pois quem não conhece a história dela, pode se surpreender como tudo aconteceu, igual eu, que nunca tinha ouvido falar de Tonya Harding. O filme utiliza da quebra da quarta parede – entre o público e o filme, lembrem de Deadpool – para contar vários pontos de vista da história, o que deixa um tom cômico, sem parecer bobo, porque além disso, o filme conta com casos de relacionamento abusivo e o preço da fama. Margot Robbie está sensacional. Concorre como Melhor Filme de Comédia ou Musical, Melhor Atriz em Comédia ou Musical para Margot Robbie, e Melhor Atriz Coadjuvante para Alison Janney.

3. Me Chame Pelo Seu Nome (Call Me By Your Name, 2017)

Filmes de adolescentes se descobrindo seja sexualmente ou por questões de personalidade, já existem de montes, mas Me Chame Pelo Seu Nome não só apresenta bons personagens como demonstra um grande choque de realidade. Elio e Oliver, são dois personagens interessantes de se acompanhar, e assim como em Moonlight, a jornada de descoberta da sua sexualidade através das experiências, são profundas e verdadeiras. Elio é um jovem promissor, que conhece Oliver por uma cartada do destino, enquanto conflitos, decisões e um romance é exposto na tela, o telespectador se envolve, além de haver identificação com os personagens, independente da sua orientação sexual. É um lindo filme com direção e atuação competentes, recomendadíssimo! Concorre a Melhor Filme de Drama, Melhor Ator de Drama para Timothee Chalamet, e Melhor Ator Coadjuvante para Armie Hammer.

2. Corra! (Get Out! 2017)

Esse filme tem uma estrela que merece atenção: Daniel Kaluuya. Filme de terror do ano que aqui concorre como comédia – oi? – Corra! é outro grande filme do ano passado que discute questões raciais e sociais,  com bons toques cômicos. O mais interessante de Corra!, além da sua história, é as alfinetadas que ele da em racistas, é como se ele explicasse, que racistas nada mais são do que invejosos das conquistas pessoais de pessoas negras. A concepção da ideia é muito boa e válida, visto que racismo está longe de ter um fim. Jordan Peele acrescenta seus tons de humor,  deixando a história muito mais fluída, e depois de ganhar vários prêmios, é difícil que saia sem algum daqui, apesar de possuir apenas duas indicações. Concorre a Melhor Filme de Comédia e Musical, e Melhor Ator para Daniel Kaluuya.

1. Lady Bird – A Hora de Voar (Lady Bird, 2017)

 Vou exaltar essa obra até o fim, sim! Lady Bird, primeiro filme da Greta Gerwig como diretora – injustiçada ao não ser indicada – trás a história de Christine “Lady Bird”, uma adolescente tem uma personalidade forte e insatisfeita com tudo na sua vida, principalmente onde vive, onde pretende se mudar ao terminar o último ano do ensino médio. Greta já se mostrava uma grande escritora em Frances Ha e Mistress America, e aqui, criando personagens extremamente emocionais, prova que não sabe apenas escrever, mas também conduzir a trama atrás das câmeras. É perceptível que o filme tem muito de realização pessoal seja da personagem, ou da sua escritora, e ambas buscam esse momento o filme inteiro. É lindo, outra história de passagem para a vida adulta e de amadurecimento, mas é muito bonito e uma verdadeira lição! Com belíssimas atuações, Lady Bird vale muito a pena! Concorre para Melhor Filme de Comédia ou Muscial, Melhor Atriz em Comédia ou Musical para Saoirse Ronan, Melhor Atriz Coadjuvante para Laurie Metcalf, e Melhor Roteiro.

E aí, gostou? Deixa aí nos comentários suas apostas e seus preferidos!

Rafinha Santos

Depois de lutar ao lado de Aragorn na Terra Média, enfrentar a Matrix junto com Neo e salvar o planeta de novo junto com Os Vingadores, viajei para uma galáxia muito muito distante, e fiquei recluso no planeta Hoth por muitos anos, até saber que Luke Skywalker foi finalmente encontrado por uma menina chamada Rey. Aparentemente é o tempo dos Jedis acabarem... Porém, durante minha busca pelo último templo Jedi, minha nave deu pane de vim parar em outra galáxia. Nela, todas esses eventos que eu citei são mera ficção, e agora escrevo críticas sobre eles... É como Rick me diria: Não pense nisso!

%d blogueiros gostam disto: