qua. fev 26th, 2020

Crime Sem Saída (2019) | Crítica

     Crime Sem Saída é um filme que já nasce com bons ingredientes, os irmãos Anthony Russo e Joe Russo são dois dos produtores, o diretor, Brian Kirk, dirigiu alguns episódios de Game Of Thrones e como protagonista temos Chadwick Boseman, o Pantera Negra no universo cinematográfico da Marvel, essa apresentação por si só já desperta a curiosidade do espectador. Essa mistura de produtores experientes e um diretor acostumado com grandes produções fez o filme chegar com cara de blockbuster aos cinemas, mas só ficou com cara mesmo.

     O roteiro é escrito por Adam Mervis, que tem o filme O Menino De Ouro (2012) no currículo, e já abre apresentando o protagonista sendo interrogado por “exagero na conduta”. É importante ressaltar isso, pois a trama gira em torno de um policial que se depara com um crime que se desencadeia em fatos que põe em xeque sua conduta e seus valores. É uma abordagem clichê, trazendo mais uma vez a corrupção dentro da polícia em uma Manhattan cinza e mergulhada no tráfico, o mais curioso é que o filme não se preocupa em ser esse clichezão, ele quer ser assim mesmo. Boseman é apresentado em ação como uma espécie de super tira, aquele que todos já ouviram falar e tem um certo respeito, também é o cara que observa a cena do crime e narra com um alto nível de precisão o que aconteceu, é batido, é repetido, mas é bem executado, existe uma onda de homenagem em Hollywood aos filmes de ação dos anos 80 e aqui vemos muito disso. O roteiro flui bem diante da sua proposta e se divide de uma forma bem redonda nos seus três atos, com todas as técnicas e pré-requisitos necessários, talvez isso seja pela falta de experiencia do roteirista, o texto não tenta ousar, obviamente não espere nada muito trabalhado, trate apenas como um suspense policial com altas doses de ação. O enredo tem um bom ritmo e isso ajuda muito para que a mesmice não se sobressaia a ação, que é muito bem executada, inclusive no terceiro ato, a produção não se importa com o plot twist previsível e foca no que ela propôs em fazer bem feito, a ação. As cenas, desde os primeiros minutos, têm uma boa execução, a mixagem de som agrada bastante nos muitos tiros disparados por segundo, o que chama atenção é que as armas principais são pequenas, mas o poder de fogo é enorme, não sei se isso está certo, porem ficou funcional, uma das principais cenas do filme é uma perseguição de rua com vários personagens correndo, não faria sentido a agilidade que se pede nessa cena com armas do tamanho dos atores.

     O elenco é bem dirigido, Chadwick passou por um intenso treinamento com a polícia de Nova Iorque e suas habilidades marciais ajudaram na execução de muitas cenas. Como grande nome temos JK Simmons, o veterano ator traz um personagem que não cobra muito esforço e também não se faz presente na trama, é um papel que muita gente poderia fazer e quando vejo JK assim eu só penso no desperdício que é ter um ator desse no elenco e não extrair seu potencial, lembram do que fizeram com ele em  Liga Da Justiça? Pois é. Outro bom nome é Taylor Kitsch, o ator se destaca nos dois primeiros atos e é responsável por boas cenas. Stephan James também é outro destaque, seu personagem é peça fundamental para o desenvolvimento da trama e as camadas apresentadas ajudam a enriquecer um pouco, principalmente em um filme que não se preocupa com isso, porém não espere uma atuação que se compare a Se a Rua Beale Falasse ou Race.

     Crime Sem Saída é um filme que oferece boas cenas de ação, usa de boas técnicas como aproximação de câmera, planos abertos com várias coisas acontecendo, giros de câmera, execuções bem feitas, headshots, é espalhafatoso em alguns momentos e ratifica a volta do protagonista “motherfuck”, o filme ainda traz referências a clássicos como Missão Impossível, Duro de Matar e Maquina Mortífera, ou seja, é uma boa opção para quem gosta de ação.

  • Crime Sem Saída
  • Duração: 99 minutos
  • Diretor: Brian Kirk
  • Roteiro: Adam Mervis
  • Elenco: Chadwick Boseman, Stepahn James, J. K. Simmons, Taylor Kistch, Stephan James, Siena Miller