Atômica (Atomic Blonde, 2017) | Crítica

Atualmente, poucos filmes de ação tem surpreendido o espectador que vai para a sala de cinema buscar algo mais, algo que saia da mesmice de alguns filmes que tem se repetido tanto em história quanto em cenas de ação. Nesse ano, particularmente, tive três boas surpresas  no gênero da ação que ainda irei comentar nesse site. Baby Driver do Edgar Wright. Jon Wick 2 do Chad Stahelski e essa maravilha chamada Atômica do David Leitch.

Atômica conta a história de Lorraine Broughton (Charlize Theron), uma agente disfarçada do MI6, é enviada para Berlim durante a Guerra Fria para investigar o assassinato de um oficial e recuperar uma lista perdida de agentes duplos. Ao lado de David Percival (James McAvoy), chefe da localidade, a assassina brutal usará todas as suas habilidades nesse confronto de espiões. Mas, vamos por partes?

Ambientação

Em termos de ambientação numa Berlim assolada pela Guerra fria, o filme me ganha – sou apaixonado por história – tem todo um visual pueril das ruas, uma fotografia realmente fria – espero que um dia vocês possam me perdoar pelo trocadilho – mostrando uma Berlim pré queda do muro, que se misturava entre pessoas comuns e espiões dos três cantos do mundo. O visual desse filme é belo, e triste, por tratar da frieza como os espiões lidavam com mais um dia de trabalho.

A Trama

No meio de tudo isso, um assassinato e uma lista surgem, com todos os nomes de agentes infiltrados nessa guerra silenciosa. Não demora muito pra cabeças rolarem, desde o início o filme te deixa imerso nas cenas de luta muito bem coreografadas. E não precisa de elegância,  Charlize deixa claro todo treinamento que teve para viver a agente. Lorraine soca, bate, chuta com a mesma intensidade que recebe os golpes, sem se preocupar em sair toda ensanguentada da luta, ela apenas quer se livrar e cumprir a missão.

Queria deixar aqui um parabéns pra quem cuidou da trilha sonora desse filme que é maravilhosa!

Atômica se mostra uma obra inteligente por mostrar a frieza da personagem perante uma situação emocional, fica claro o relacionamento dela com o agente morto, porém proibido, no mundo dos espiões o conceito de formação de família praticamente não pode existir devido os riscos que correm. Durante o decorrer da trama, vamos acompanhando toda a investigação e todos os conflitos que cercam Lorraine e Percival, que já está trabalhando em Berlim bastante tempo. Não irei revelar muito da trama aqui, espero que vocês assistam.

Atômica se destaca por isso, ótimas cenas de ação e uma história que se desenrola pelas ruas de uma Alemanha triste, dividida, e que não sabia como seria o dia de amanhã, assim como todos aqueles agentes.

Duração: 115 min.

Direção: David Leitch 

Roteiro: Kurt Johnstad

Elenco: Charlize Theron , Sofia Boutella , James McAvoy , John Goodman

Rafinha Santos

Depois de lutar ao lado de Aragorn na Terra Média, enfrentar a Matrix junto com Neo e salvar o planeta de novo junto com Os Vingadores, viajei para uma galáxia muito muito distante, e fiquei recluso no planeta Hoth por muitos anos, até saber que Luke Skywalker foi finalmente encontrado por uma menina chamada Rey. Aparentemente é o tempo dos Jedis acabarem... Porém, durante minha busca pelo último templo Jedi, minha nave deu pane de vim parar em outra galáxia. Nela, todas esses eventos que eu citei são mera ficção, e agora escrevo críticas sobre eles... É como Rick me diria: Não pense nisso!

%d blogueiros gostam disto: