Guardiões da Galáxia Vol. 2 (Guardians of the Galaxy Vol. 2, 2017) | Revisão

O que você espera quando ouve falar em uma continuação? Uma das formas de apreciar uma boa continuidade de uma história é expandindo seu universo, e fazendo com que seus personagens alcancem uma certa evolução, ou realização pessoal. Um dos grandes sucessos da franquia cinematográfica da Marvel, é justamente saber arriscar, e conseguir cativar o público com certos personagens desconhecidos que são bem trabalhados. Um dos grandes exemplos de sucesso da Marvel, Guardiões da Galáxia, um grupo de personagens desconhecidos, que formaram uma família disfuncional, agradou crítica e os fãs mais fervorosos, agregando mais sobre seu universo cósmico e personagens cativantes. Como todo grande sucesso, sua continuação é quase certa, e em 2017 chegaria Guardiões da Galáxia, Vol. 2.

Em seu segundo filme, as únicas evoluções que James Gunn propôs para seus heróis, foi adicionar novos personagens e uma nova civilização, mas sem se preocupar em desenvolver seus próprios personagens em uma história original, apenas repetindo a fórmula que o consagrou no primeiro filme. Por mais interessante que seja ver o pai de Peter Quill, a questão familiar fica devendo na história, tornando muitas vezes chato de acompanhar. Incluindo Gamora e Nebula em mais uma esticada desnecessária no conflito das irmãs, onde se estabelece o óbvio no final.

Todos esses erros prejudicam o arco do vilão, Ego, que poderia ter sido usado apenas como o vilão principal, sem a trama de pai e filho. Voltando a ressaltar que por mais que Guardiões da Galáxia seja uma trama de relações familiares, repetir fórmula não é uma boa solução de continuação, vemos uma grande oportunidade perdida para aprofundar mais os personagens. Nenhum deles aprendeu nada, além do que era mais óbvio: eles são uma família, o que já era estabelecido no primeiro.

Algo que James Gunn não conseguiu reaproveitar foi o humor, deixando a maior parte por conta de Drax, que não sustentou o filme como alívio cômico, gerando certo incômodo por repetir a mesma piada diversas vezes.

O único personagem que teve uma evolução, e você realmente consegue sentir empatia, é Yondu, que aparece como a verdadeira figura paterna que Peter não esperava. Em um final emocionante, Yondu se torna um dos melhores personagens do filme.

A Marvel acerta novamente nos seus efeitos visuais, mostrando certa evolução e domínio com outras civilizações. Além de mostrar um pouco dos Guardiões originais, para agradar os fãs, e para introduzir no próximo filme. Algo que abre novas possibilidades, novos conflitos e interesses entre os dois grupos.

Guardiões da Galáxia Vol. 2 tem bons momentos, acerta em algumas cenas de ação, mostrando mais do universo cósmico da Marvel, porém não se preocupa em desenvolver seus personagens, uma pena. Pelo menos os Guardiões compensam na química entre eles.

Guardiões da Galáxia Vol. 2 (Guardians of the Galaxy Vol. 2, 2017) | Revisão

  • Duração: 137 min.
  • Direção: James Gunn
  • Roteiro: James Gunn
  • Elenco: Chris Pratt , Zoe Saldana , Dave Bautista , Vin Diesel , Bradley Cooper , Michael Rooker , Kurt Russell

Guardiões da Galáxia Vol. 2 (Guardians of the Galaxy Vol. 2, 2017) | Revisão

5

Nota

5.0/10

Rafinha Santos

Depois de lutar ao lado de Aragorn na Terra Média, enfrentar a Matrix junto com Neo e salvar o planeta de novo junto com Os Vingadores, viajei para uma galáxia muito muito distante, e fiquei recluso no planeta Hoth por muitos anos, até saber que Luke Skywalker foi finalmente encontrado por uma menina chamada Rey. Aparentemente é o tempo dos Jedis acabarem... Porém, durante minha busca pelo último templo Jedi, minha nave deu pane de vim parar em outra galáxia. Nela, todas esses eventos que eu citei são mera ficção, e agora escrevo críticas sobre eles... É como Rick me diria: Não pense nisso!

%d blogueiros gostam disto: