Homem-Formiga e a Vespa (Ant-Man and the Wasp, 2018) | Crítica

Após o nocaute de “Guerra Infinita” era esperado que “Homem-Formiga e a Vespa” respondesse algumas questões ou desse uma dose de esperança a respeito do futuro dos Vingadores. Sem spoilers, o fato é que ele mais alimenta teorias do que as confirma. Quem não gostou da primeira incursão do herói no cinema, dificilmente agora cairá de amores. Já quem aprovou e conhece suas histórias nos quadrinhos tem motivos de sobra para se divertir.

Enquanto Scott Lang (Paul Rudd) está preso em casa cumprindo pena por ter ajudado o Capitão América num aeroporto na Alemanha, em “Guerra Civil”, Hope Van Dyne (Evangeline Lilly) e seu pai, o Dr. Hank Pym (Michael Douglas), procuram uma rara tecnologia para entrar no Mundo Quântico. Não é nenhum segredo dizer que o que eles querem é descobrir se Janet (Michelle Pfeiffer, melhor adição do elenco), a Vespa original, ainda está viva.

Além de terem que fugir de agentes federais como Jimmy Woo (Randall Park) e criminosos como Sonny Burch (Walton Goggins), eles ainda precisam lidar com a misteriosa Fantasma (Hannah John-Kamen). Entra também nessa equação o Dr. Bill Foster (Laurence Fishburne). Estão de volta a filha de Scott que se inspira no pai super-herói, Cassie (Abby Ryder Fortson), sua ex-esposa Maggie (Judy Greer) e o atual marido Paxton (Bobby Cannavale).

O motivo de detalhar a sinopse acima –, mais uma vez ressalto que sem spoilers, – é que após você ver o longa, vale a pena conferir os muitos easters eggs. Quem leu as HQs não terá muitas dificuldades em descobri-los. O roteiro escrito por cinco pessoas, incluindo Rudd, respeita assim o universo particular do Homem-Formiga. E se esforça demasiado em fazer humor. As cenas de Luis, vivido por Michael Peña, são as mais bem sucedidas, tal como ocorreu no primeiro filme.

Assumindo o trabalho por completo, já que no anterior entrou como substituto de Edgar Wright, Peyton Reed consegue imprimir sua visão e ritmo para a história. As cenas de ação se resumem a perseguições pelas ruas de São Francisco, o que tendo sido a maioria revelada nos trailers junto com algumas reviravoltas, perde muito da emoção. A novidade fica por conta de certa viagem psicodélica que nem é tão nova assim, porém, é mais explorada.

Assumidamente uma comédia de ação, “Homem-Formiga e a Vespa” surpreende ao conseguir ser independente dentro do Universo Cinematográfico Marvel (MCU), ao mesmo tempo em que se sabe que as ideias apresentadas serão importantes para o futuro dos “Vingadores”. Devo confessar que não está entre meus preferidos, mas valeu a ida ao cinema. Como de praxe, fique até as luzes se acenderem, pois há duas cenas pós-créditos.

  • Duração: 118 min.
  • Direção: Peyton Reed
  • Roteiro: Chris McKenna, Erik Sommers, Paul Rudd, Andrew Barrer e Gabriel Ferrari
  • Elenco: Paul Rudd, Evangeline Lilly, Michael Douglas, Michelle Pfeiffer, Hannah John-Kamen, Michael Peña, Laurence Fishburne, Abby Ryder Fortson, Judy Greer, Bobby Cannavale, Randall Park, Walton Goggins

Moisés Evan

Formado em Jornalismo, acredito na cartilha de "The Post", e também em Publicidade, mas sem a intenção de fazer "Três Anúncios para Um Crime". Como "Lady Bird", ao alçar voo para outras bandas, cheguei até aqui. Tem horas que o mundo parece nos envolver numa "Trama Fantasma" ou nos colocar numa enrascada como em "Dunkirk". Não vou mudar "O Destino de Uma Nação" escrevendo sobre o que mais amo, mas sempre que eu postar, espero que você "Corra!" para ler e não tenha receio de comentar e/ou discordar. "Me Chame Pelo Seu Nome"? Melhor não. Mas pode ser pôr @sr.lanterninha. Vivo num mundo de sonhos e monstros e um dia hei de descobrir "A Forma da Água" em seu estado mais bruto e belo.

%d blogueiros gostam disto: