sáb. fev 29th, 2020

Minha Mãe é uma Peça 3 | Crítica

A trilogia “Minha Mãe é Uma Peça” acabou por se tornar um comentário social explícito e com caráter biográfico, uma “soap opera” feita pelo ator e escritor Paulo Gustavo. A icônica Dona Hermínia é colocada no próprio clássico conflito materno com a temporalidade dos filhos, agora na terceira idade, porém o filme não consegue inserir naturalmente seus dramas, muito menos a sensação da mãe mais velha.

Image result for minha mãe é uma peça 3

A noção de velhice do filme são nas piadas repetidas sobre ossos fracos, no flashback ou nas amizades da protagonista. Dentro dessa ideia o objetivo é mostrar como ela se aceita assim, pois quando vai atrás de um namorado na casa vizinha encontra um velho conhecido que a encurrala na vida idosa. Com muito humor a situação é compreendida, porém fica nisso. Constantemente uma “gag” traz à tona a velhice que com certeza arranca risadas, correndo em uma linha sem freio, até sem lógica narrativa apenas para momentos altíssimos de humor.

Estranhamente isso é um grave problema dentro do filme quando incessantemente busca tratar dramaticamente o mote de Hermínia de ser excluída pelos filhos, seja por necessidade de liberdade ou para o filme ir atrás de fazer comédia com o intrometimento da personagem. As soluções de instituir um drama, que nunca foi o forte da trilogia, ou são repetidas pausas em situações muito parecidas envolvendo a maternidade de filha Marcelina, ou Juliano tirando a responsabilidade da mãe quanto ao seu casamento. Pela falta de fio condutor da narrativa esses pontuais dramas se tornam profundos vácuos de monotonia.

Image result for minha mãe é uma peça 3

A partir disso complica ainda mais simpatizar com a insistência de Hermínia, porque como um teste instintivo, cada vez que ela insistia em cuidar do filho de Marcelina ou de contribuir para o casamento de Juliano a direção dá dicas do “momento chato” do filme. Logo vai se revelando uma areia movediça de comédia.

Há partes durante o filme que a “virgulação” dramática se tornam “ponto e vírgula” de ensaio fotográfico, como um exercício amplamente desconexo na proposta audiovisual. O projeto de criar um universo com uma das maiores personagens do cinema brasileiro se quebra em períodos do filme, ignorando um mínimo de realismo para alcançar piadas imediatas.

No entanto algo que irá se preservar do tratamento do filme é a mensagem não de aceitação da velhice, mas do casamento gay e toda a homossexualidade de Juliano. Em um contexto brasileiro conservador Paulo Gustavo é uma figura de voz libertária, paterna falando sobre maternidade, embora tenha ela por outras associações que não necessariamente crie um ar de resistência no filme. É mais um ato biográfico de um ator com poder industrial no cinema brasileiro.

Related image

Mesmo que a personagem centro seja a mãe, naturalmente o casamento, a intriga entre as mães do noivos, é o novo que revela uma personalidade no filme. Pois em boa parte há uma mudança no que se refere a piada, mesmo sendo a mesma, ou se utiliza de uma música antiga para fazer referência a algum filme. O problemático mesmo é abdicar da proposta inicial ou ao menos tentar ter consistência mínima do ato de fazer cinema.

Em meio a muitas gargalhadas e palmas para a representatividade, o tom biográfico e social acaba por engolir noções artísticas necessárias para o drama e história proposta. Pois até a comédia tem sua responsabilidade com além do humor. 

Image result for minha mãe é uma peça 3
%d blogueiros gostam disto: