outubro 29, 2020

Oscar 2020 | Vencedores

 

A Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood fez História na noite de ontem (09) ao conceder a “Parasita” o Oscar de melhor Filme. Pela primeira vez, uma produção não falada em inglês ganhou na principal categoria. Com seis indicações, a obra prima sul-coreana ainda deu a Bong Joon-ho as estatuetas de melhor Filme Internacional, melhor Direção e melhor Roteiro Original. Apesar de ter vencido a Palma de Ouro de Cannes e de ser o concorrente mais premiado do ano, a consagração total de “Parasita” ainda era uma incógnita antes de a festa começar.

“Quando eu era jovem e estudava cinema, havia um ditado que eu entalhava profundamente em meu coração: ‘O mais pessoal é o mais criativo’. Isso vem do nosso grande Martin Scorsese. Quando as pessoas não conheciam meu filme, Quentin [Tarantino] sempre colocava meus filmes na lista dele. Quentin, eu te amo! Agora vou beber até amanhã.” Bong Joon-ho, em seu discurso de agradecimento ao Oscar de melhor Diretor, por “Parasita”. Ao fazer referência a Scorsese, a plateia logo se levantou para aplaudir o cineasta norte-americano. Foto: Reprodução

Com uma campanha grandiosa no último mês, com Joon-ho e seus atores concedendo entrevistas e fazendo editoriais para os principais veículos de entretenimento dos Estados Unidos, a produção acabou ultrapassando as barreiras do preconceito da língua, conquistando assim os votantes. Num dos mais momentos inesquecíveis da temporada, o Elenco foi aplaudido de pé na premiação do Sindicato dos Atores (SAG) em que saiu com o prêmio máximo. Fazia um tempo que a decisão da Academia não ia de encontro com a opinião unânime da crítica e do público.

Quando levou o Globo de Ouro de melhor Filme de Drama no começo de janeiro, “1917” parecia ser a escolha mais segura para o Oscar. A vitória no Sindicato dos Produtores (PGA), equivalente a melhor Filme, e no dos Diretores (DGA), o tornou o grande favorito por um breve momento. Logo, contudo, ele foi engolido pelo tsunami vindo da Coreia do Sul. Elogiado pelo seu virtuosismo técnico, o épico de guerra de Sam Mendes teve assim de se contentar com as estatuetas de melhor Fotografia, para o mestre Roger Deakins, Efeitos Visuais e Mixagem de Som.

“Fui egoísta, cruel às vezes, alguém difícil de trabalhar. Estou grato porque muitos aqui nessa sala me deram uma segunda chance. Acredito que estamos no nosso ápice quando apoiamos uns aos outros. Não quando nos cancelamos por erros passados, mas sim quando nos ajudamos a crescer. Educamos uns aos outros, e nos guiamos no caminho pela redenção. Quando ele tinha 17 anos de idade, meu irmão [River Phoenix] escreveu uma música em que dizia ‘vá ao resgate com amor, e a paz o seguirá’.” Joaquin Phoenix, em seu inesquecível discurso de agradecimento ao Oscar de melhor Ator, por “Coringa”. Foto: Reprodução

Nas categorias de atuação não teve nada de novo no front. Repetindo as conquistas no Globo de Ouro, no Critics’ Choice, no SAG e no Bafta, Joaquin Phoenix foi sagrado o melhor Ator, por “Coringa”, Renée Zellweger, a melhor Atriz, por “Judy – Muito Além do Arco-Íris”, Brad Pitt, o melhor Ator Coadjuvante, por “Era Uma Vez em… Hollywood”, e Laura Dern, a melhor Atriz Coadjuvante, por “História de Um Casamento”. Diante de ótimos discursos, o de Phoenix foi o mais contundente devido à sua consciência política, ambiental, social e cultural.

“Judy Garland não pôde receber essa honra em vida. Estou certa de que este momento é uma extensão de seu legado que começou nos sets de filmagem”. Renée Zellweger, em seu discurso de agradecimento ao Oscar de melhor Atriz, por “Judy – Muito Além do Arco-Íris”. Foto: Reprodução

Esperado, “Coringa” ainda ficou com o Oscar de melhor Trilha Sonora, fazendo da islandesa Hildur Guðnadóttir apenas a quarta mulher a vencer nesta categoria. Já “Era Uma Vez em… Hollywood” também ganhou como melhor Design de Produção. Com quatro nomeações, “Ford vs Ferrari” levou as estatuetas de melhor Edição e Edição de Som. “Jojo Rabbit” deu ao neozelandês Taika Waititi o prêmio de Roteiro Adaptado, enquanto que “Adoráveis Mulheres” foi o melhor Figurino. Dos nove indicados a melhor Filme, apenas “O Irlandês” saiu de mãos vazias.

“Leo [DiCaprio], eu vou seguir você sempre. Você é fantástico. Vamos agradecer aos coordenadores que estão distantes, aos nossos dublês. Esse prêmio vai fazer com que eu olhe para trás, para todas as pessoas maravilhosas que me trouxeram até aqui. Essa é a verdade. ‘Era Uma Vez em… Hollywood'”. Brad Pitt, em seu discurso bem-humorado de agradecimento ao Oscar de melhor Ator Coadjuvante. Foto: Reprodução

Ainda teve o melhor Cabelo e Maquiagem para “O Escândalo”. Apesar da boa variedade, a Academia não conseguiu ver além da Pixar, elegendo “Toy Story 4” a melhor Animação. Já o melhor Curta Animado ficou com o representativo “Hair Love” que viralizou no YouTube antes mesmo de ser indicado ao Oscar. O discurso de agradecimento dos diretores marcou. “Indústria Americana”, a Netflix, foi o melhor Documentário e “Learning to Skateboard in a Warzone (If You’re a Girl)” o melhor Curta de Documentário. “The Neighbors’ Window” venceu como melhor Curta.

Apresentadores

Os apresentadores Steve Martin e Chris Rock. Foto: Reprodução

Desde o ano passado que a cerimônia não conta com um anfitrião. Para iniciar os trabalhos, contudo, foram escolhidos Steve Martin e Chris Rock que já apresentaram sozinhos a festa. Eles não perderam a chance de criticar a falta de diversidade e brincaram com alguns nomeados. Dentre os astros e estrelas que entregaram estatuetas estavam Tom Hanks, Penélope Cruz, Keanu Reeves, Diane Keaton, Lin-Manuel Miranda, Zazie Beetz, Timothée Chalamet, Natalie Portman, Mark Ruffalo, Mindy Kaling, Mahershala Ali, Regina King, Rami Malek e Olivia Colman.

Um momento que era pra ser representativo, com a presença do ator Zack Gottsagen que tem Síndrome de Down, acabou gerando polêmica nas redes sociais pela suposta impaciência de Shia LaBeouf, seu parceiro de cena no ainda inédito “The Peanut Butter Falcon”, na hora de revelar o melhor Curta-metragem. Diante do fiasco do musical “Cats”, dois de seu elenco, James Corden e Rebel Wilson, se vestiram de felinos para ressaltar como não devem ser os efeitos visuais. Já Kristen Wiig e Maya Rudolph, Julia Louis-Dreyfus e Will Ferrell trouxeram seu bom humor.

As super-heroínas Brie Larson, Sigourney Weaver e Gal Gadot. Foto: Reprodução

O trio mais “girl power” da noite foi composto pela Capitã Marvel Brie Larson, a eterna tenente Ellen Ripley, de “Alien”, Sigourney Weaver, e a Mulher-Maravilha Gal Gadot. Elas ficaram responsáveis por introduzirem a maestrina Eímear Noone. Pela primeira vez em 92 anos, uma mulher pôde conduzir a orquestra da cerimônia, apresentando os cinco indicados a melhor Trilha Sonora. A veterana Jane Fonda que tem aparecido muito nos noticiários recentemente devido a sua militância ambiental e social foi a responsável por entregar o cobiçado Oscar de melhor Filme.

Performances musicais

A animação de Janelle Monáe. Foto: Reprodução

A noite começou com um número musical de Janelle Monáe para animar a plateia no teatro Dolby. Com uma mensagem sobre diversidade, chamou atenção a presença de personagens de produções esnobadas pela Academia, como os horrores “Nós” e “Midsommar” e a comédia “Meu Nome é Dolemite”. Se a intenção era reparar alguma injustiça, alfinetando a própria dona do show, ficou um tanto forçado. Monáe ainda contou com a companhia do ator Billy Porter na apresentação. Como de costume, as cinco canções indicadas foram apresentadas ao vivo no palco.

Começou com “Into the Unknown”, de “Frozen 2”, que pra fugir do lugar comum juntou um time de dubladoras de Elsa ao redor do mundo junto com Idina Menzel e Aurora. Depois foi a vez de “I’m Standing With You”, cantada por Chrissy Metz, estrela do drama cristão “Superação: O Milagre da Fé”. Ao piano, o veterano compositor Randy Newman apresentou “I Can’t Let You Throw Yourself Away”, de “Toy Story 4”. Com a interpretação poderosa de Cynthia Erivo, protagonista de “Harriet”, “Stand Up” era a melhor dentre as cinco, mas não levou o prêmio.

Elton John momentos antes de conquistar sua segunda estatueta dourada. A primeira foi pela primeira versão de “O Rei Leão”. Foto: Reprodução

O vencedor foi Elton John com “(I’m Gonna) Love Me Again”, de sua cinebiografia “Rocketman”. Após uma montagem com músicas marcantes do cinema, Eminem surpreendeu com uma performance de “Lose Yourself”, de “8 Mile”. Eleita a melhor Canção em 2003, o rapper praticamente esnobou o Oscar naquele ano, não comparecendo à cerimônia. O mundo dá voltas. Recém-consagrada no Grammy, Billie Eilish cantou “Yesterday”, dos Beatles, no segmento In Memoriam. Pode ser que ela volte em 2021 como indicada pelo tema do novo 007.

Desde sempre o Oscar é promovido como a maior festa do cinema mundial. Com a vitória histórica de “Parasita”, pela primeira vez senti que ele olhou para fora de sua caixa dourada. Se outras produções internacionais terão a mesma chance nos próximos anos, só o tempo dirá. O mais importante é que após uma temporada de premiações mais curta que o de costume, chega-se ao seu final com a sensação de que a Academia caminha rumo a um futuro mais globalizado e democrático. A seguir, você confere a lista completa com os vencedores do dia 09 de Fevereiro de 2020.

A empolgação de Bong Joon-ho e sua equipe contagiou Hollywood. Foto: Reprodução

MELHOR FILME

“Ford vs Ferrari”

“O Irlandês”

“Jojo Rabbit”

“Coringa”

“Adoráveis Mulheres”

“História de Um Casamento”

“1917”

“Era Uma Vez em… Hollywood”

“Parasita”

 

MELHOR ATOR

Antonio Banderas – “Dor e Glória”

Leonardo DiCaprio – “Era Uma Vez em… Hollywood”

Adam Driver – “História de Um Casamento”

Joaquin Phoenix – “Coringa”

Jonathan Pryce – “Dois Papas”

 

MELHOR ATRIZ

Cynthia Erivo – “Harriet”

Scarlett Johansson – “História de um Casamento”

Saoirse Ronan – “Adoráveis Mulheres”

Charlize Theron – “O Escândalo”

Renée Zellweger – “Judy”

 

MELHOR ATOR COADJUVANTE

Tom Hanks – “Um Lindo Dia na Vizinhança”

Anthony Hopkins – “Dois Papas”

Al Pacino – “O Irlandês”

Joe Pesci – “O Irlandês”

Brad Pitt – “Era Uma Vez em… Hollywood”

“Falam que você nunca conhece seus heróis, mas eu digo que se for abençoado você os tem como seus pais. Esse foi o melhor presente de aniversário de todos os tempos.” Laura Dern, em seu discurso de agradecimento ao Oscar de melhor Atriz Coadjuvante, por “História de Um Casamento”. Filha de Bruce Dern, ela deixou sua mãe Diane Ladd que a acompanhava bastante emocionada. Foto: Reprodução

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE

Kathy Bates – “O Caso Richard Jewell”

Laura Dern – “História de Um Casamento”

Scarlett Johansson – “Jojo Rabbit”

Florence Pugh – “Adoráveis Mulheres”

Margot Robbie – “O Escândalo”

 

MELHOR ANIMAÇÃO

“Como Treinar o seu Dragão 3”

“Perdi Meu Corpo”

“Klaus”

“Link Perdido”

“Toy Story 4”

Roger Deakins em sua vitória incontestável por “1917”. Foto: Reprodução

MELHOR FOTOGRAFIA

Rodrigo Prieto – “O Irlandês”

Lawrence Sher – “Coringa”

Jarin Blaschke – “O Farol”

Roger Deakins – “1917”

Robert Richardson – “Era Uma Vez em… Hollywood”

 

MELHOR FIGURINO

Sandy Powell e Christopher Peterson – “O Irlandês”

Mayes C. Rubeo – “Jojo Rabbit”

Mark Bridges – “Coringa”

Jacqueline Durran – “Adoráveis Mulheres”

Arianne Phillips – “Era Uma Vez em… Hollywood”

Jacqueline Durran, vencedora do Oscar de Figurino pela segunda vez, por “Adoráveis Mulheres”. A primeira foi por Anna Karenina (2012). Foto: Reprodução

Melhor DIREÇÃO

Martin Scorsese – “O Irlandês”

Todd Phillips – “Coringa”

Sam Mendes – “1917”

Quentin Tarantino – “Era Uma Vez em… Hollywood”

Bong Joon-ho – “Parasita”

“Nosso filme é de Ohio, mas também da China, e poderia ser de qualquer lugar onde as pessoas vestem um uniforme e vão trabalhar para trazer uma vida melhor para sua família. Trabalhadores e operários têm uma vida cada vez mais difícil. E nós acreditamos que a vida vai melhorar quando os trabalhadores do mundo se unirem.” Julia Reichert (ao centro), em seu discurso de agradecimento ao Oscar de melhor Documentário, por “Indústria Americana”. Foto: Reprodução

MELHOR DOCUMENTÁRIO

“Indústria Americana”

“The Cave”

“Democracia em Vertigem”

“For Sama”

“Honeyland”

 

MELHOR CURTA DOCUMENTÁRIO

“In the Absence”

“Learning to Skateboard in a Warzone (If You’re a Girl)”

“Life Overtakes Me”

“St. Louis Superman”

“Walk Run Cha-Cha”

A comemoração das vencedoras de “Learning to Skateboard in a Warzone (If You’re a Girl)”. Foto: Reprodução

MELHOR EDIÇÃO

Michael McCusker e Andrew Buckland – “Ford vs Ferrari”

Thelma Schoonmaker – “O Irlandês”

Tom Eagles – “Jojo Rabbit”

Jeff Groth – “Coringa”

Yang Jinmo – “Parasita”

 

MELHOR FILME INTERNACIONAL

“Corpus Christi” (Polônia)

“Honeyland” (Macedônia)

“Les Misérables” (França)

“Dor e Glória” (Espanha)

“Parasita” (Coreia do Sul)

 

MELHOR CABELO E MAQUIAGEM

“O Escândalo”

“Coringa”

“Judy”

“Malévola: Dona do Mal”

“1917”

“Para as meninas, as mulheres, as mães, as filhas que ouvem a música borbulhando lá dentro, por favor, fale. Precisamos ouvir suas vozes.” Hildur Guðnadóttir, em seu discurso de agradecimento ao Oscar de melhor Trilha Sonora, por “Coringa”. Foto: Reprodução

MELHOR TRILHA SONORA

Hildur Guðnadóttir – “Coringa”

Alexandre Desplat – “Adoráveis Mulheres”

Randy Newman – “História de Um Casamento”

Thomas Newman – “1917”

John Williams – “Star Wars: A Ascensão Skywalker”

 

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL

“I Can’t Let You Throw Yourself Away” – Música & Letra por Randy Newman – “Toy Story 4”

“(I’m Gonna) Love Me Again” – Música por Elton John e Letra por Bernie Taupin – “Rocketman”

“I’m Standing With You” – Música & Letra por Diane Warren – “Superação: O Milagre da Fé”

“Into the Unknown” – Música & Letra por Kristen Anderson-Lopez e Robert Lopez – “Frozen 2”

“Stand Up” – Música & Letra por Joshuah Brian Campbell e Cynthia Erivo – “Harriet”

 

MELHOR DESIGN DE PRODUÇÃO

“O Irlandês”

“Jojo Rabbit”

“1917”

“Era Uma Vez em… Hollywood”

“Parasita”

“‘Hair Love’ foi feito porque queríamos ver mais representação na animação. Cabelos negros, cabelos crespos são assunto importante e vamos ajudar a difundir histórias como estas”. Matthew Cherry, em seu discurso de agradecimento ao Oscar de melhor Curta-metragem de Animado. Foto: Reprodução

MELHOR CURTA ANIMADO

“Dcera (Daughter)”

“Hair Love”

“Kitbull”

“Memorable”

“Sister”

 

MELHOR CURTA LIVE ACTION

“Brotherhood”

“Nefta Football Club”

“The Neighbors’ Window”

“Saria”

“A Sister”

A dupla vencedora de “Ford vs Ferrari” em melhor Edição de Som. Foto: Reprodução

MELHOR EDIÇÃO DE SOM

“Ford vs Ferrari”

“Coringa”

“1917”

“Era Uma Vez em… Hollywood”

“Star Wars: A Ascensão Skywalker”

 

MELHOR MIXAGEM DE SOM

“Ad Astra – Rumo às Estrelas”

“Ford vs Ferrari”

“Coringa”

“1917”

“Era Uma Vez em… Hollywood”

 

MELHORES EFEITOS VISUAIS

“Vingadores: Ultimato”

“O Irlandês”

“O Rei Leão”

“1917”

“Star Wars: A Ascensão Skywalker”

Taika Waititi em boa companhia para comemorar seu primeiro Oscar. Foto: Reprodução

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO

Steven Zaillian – “O Irlandês”

Taika Waititi – “Jojo Rabbit”

Todd Phillips & Scott Silver – “Coringa”

Greta Gerwig – “Adoráveis Mulheres”

Anthony McCarten – “Dois Papas”

 

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL

Rian Johnson – “Entre Facas e Segredos”

Noah Baumbach – “História de Um Casamento”

Sam Mendes & Krysty Wilson-Cairns – “1917”

Quentin Tarantino – “Era uma Vez em… Hollywood”

Bong Joon-ho e Han Jin-won – “Parasita”

Foto: Reprodução
%d blogueiros gostam disto: