Thor (2011) | Revisão

Acredito que uma das adaptações mais difíceis de se fazer, entre as origens dos heróis da Marvel, era a do Thor. É o filme que mais andaria na linha entre o fracasso e o sucesso, e felizmente, deu muito certo. A grande missão de Thor, era tirar Asgard e todos os seus conceitos e mitologias dos quadrinhos, e apresentar nas telas de forma que não ficasse galhofa, apresentando o poderoso Deus do Trovão e todo um universo novo.

Primeiramente, a cena de introdução ao mundo de Asgard, é visualmente muito bem trabalhada, quando Odin – ninguém melhor que Anthony Hopkins para o papel – narra sobre a primeira guerra contra os Gigantes de Gelo até a câmera finalmente passear pelo mundo, mostrando grandes detalhes, realmente brilhantes. E falando em visual, as escolhas de figurino é outro ponto forte, parece que tiraram todos aqueles personagens dos quadrinhos para as telas nos mínimos detalhes, uma pena foi o Thor ter usado o elmo apenas uma vez.

Thor tinha uma personalidade parecida com a de Tony Stark, seu ego e sentido de heroísmo passavam por qualquer coisa, víamos um Thor imprudente e impulsivo, vivendo apenas pela glória da próxima batalha. Depois de tomar uma decisão precipitada, Thor é banido de Asgard por Odin, e obrigado a aprender com seus erros. Chega a ser interessante a evolução do Thor que tinha um ego inflado, até o momento que ele se sacrificaria para proteger quem ama e mais tarde salvar os Gigantes de Gelo, apesar de Chris Hemsworth não ser um bom ator – e concordo com quem disser que ele parece o personagem dos quadrinhos, mas isso não tira os fatos – ele consegue apresentar um personagem bruto e imponente, algo característico dos quadrinhos e ser o que o é exigido do personagem, mas em termos de dramaticidade, algo essencial na evolução de Thor, o ator se perde.

Por outro lado, teríamos o primeiro vislumbre do que seria o melhor vilão da Marvel, até o momento: Loki, com uma atuação competente de Tom Hiddleston, o Deus da Trapaça é tudo que imaginamos e um pouco mais, elevando o nível do filme, com o primeiro vilão mais notável do universo Marvel. As cenas dele com Odin são realmente as melhores.

O elenco estrelado de coadjuvantes, com Natalie Portman, Stellan Skarsgård e cia, funciona como núcleo de apoio – a trama de Jane – algo para complementar a história, nada que tire o foco do filme. Incluindo outro envolvimento da S.H.I.E.L.D. junto com o Agente Coulson que passa de filme em filme fazendo as ligações, temos também o primeiro vislumbre do Gavião Arqueiro. Os ajudantes guerreiros do Thor, outros bons personagens que dariam um filme somente com aventuras de todos juntos, no melhor estilo RPG. 

As cenas de ação com o martelo Mjolnir funcionam, quando são exigidas no começo e fim do filme, e abrem um leque de possibilidades para os próximos filmes. Os elementos que precisavam para apresentar uma boa história de origem, sem desrespeitar personagens, foram feitos com sucesso, era mais uma grande história para o universo cinematográfico da Marvel.

Thor (2011) 

  • Duração: 114 min.
  • Direção: Kenneth Branagh
  • Roteiro: Ashley Edward, Miller, Zack Stentz, Don Payne
  • Elenco: Chris Hemsworth , Natalie Portman , Tom Hiddleston , Anthony Hopkins , Stellan Skarsgård , Kat Dennings , Clark Gregg

Thor (2011) | Revisão

8

Nota

8.0/10

Rafinha Santos

Depois de lutar ao lado de Aragorn na Terra Média, enfrentar a Matrix junto com Neo e salvar o planeta de novo junto com Os Vingadores, viajei para uma galáxia muito muito distante, e fiquei recluso no planeta Hoth por muitos anos, até saber que Luke Skywalker foi finalmente encontrado por uma menina chamada Rey. Aparentemente é o tempo dos Jedis acabarem... Porém, durante minha busca pelo último templo Jedi, minha nave deu pane de vim parar em outra galáxia. Nela, todas esses eventos que eu citei são mera ficção, e agora escrevo críticas sobre eles... É como Rick me diria: Não pense nisso!

%d blogueiros gostam disto: