outubro 28, 2020

Um Lindo Dia Na Vizinhança (2020) | Crítica

     Historias reais sempre foram um fascínio em Hollywood, produções como “127 Horas (2010), O Pianista (2003), O Impossível (2012)” e tantos outros, são obras que trazem aos olhos de muitos, historias desconhecidas e muitas vezes apresentam heróis da vida comum. Um Lindo Dia Na Vizinhança apresenta para o mundo Mister Rogers, interpretado por Tom Hanks, que na década de 60 criou um programa de Tv voltado para as crianças e se tornou muito popular. O filme é dirigido por Marielle Heller, que já teve um trabalho semelhante em “Poderia Me Perdoar? (2018)” e escrito por Micah Fitxerman-Blue e Noah Hapster.

      Um Lindo Dia Na Vizinhança é o típico filme sobre/para americanos e é difícil imaginar como essa história chegaria para o público fora do país de origem. O estilo, as músicas, a ambientação, tudo tem um peso forte para a tradicional torcida de nariz de boa parte do público brasileiro, devo confessar que essa dúvida me acompanhou até o início da sessão, mas ao observar as escolhas da diretora e do roteiro, o desdobramento foi uma grata surpresa. Tom Hanks aqui não assume o protagonismo objetivo na trama, mas traz consigo o protagonismo de direito, é inevitável não ter essa sensação com ele em cena. A sensação é que pegaram a única pessoa no mundo capaz de interpretar Fred Rogers, a voz mansa, a complacência, os trejeitos, o olhar altruísta, é uma das melhores composições de personagens do ano de 2019, o ator mais uma vez está incrível. A cidade fictícia em forma de maquete é o elo entre o imaginário infantil e a realidade do impacto que o personagem causa/causou, inclusive há uma quebra da quarta parede que convida o espectador a entrar naquele mundo, em determinado momento  o quadro “A Noite Estrelada” do pintor Vincent Van Gogh é usado como uma abertura para um momento didático na trama, é o ensinamento através da arte, o melhor caminho. A recriação da cidade, prédios, metrô, figurino, tudo é assertivo, os programas de televisão também são momentos em que o dedo da diretora pesa, a montagem traz as cenas reais com os apresentadores da época e quando o Mister Rogers aparece, um duble é usado para desta vez pegar o personagem de frente e o apresentador de costas, é um recurso simples, mas a edição dinamiza e torna mais real, não se enganem, isso não é fácil.

     O roteiro divide bem a estrutura do filme e segue a forma padrão, sua grande aposta é nas questões pessoais que causam identificação com o público. Abordar relações familiares, falar sobre perdão, empatia e arrependimento, quando bem usado, tem um resultado positivo e geralmente causa alguns, ou vários, pensamentos reflexivos. Uma coisa que sempre faz parte desse tipo de filme são os clichês, mas quando não são usados em excesso, não incomoda, se é um filme sobre a vida, tem que ter clichê. A introdução do elenco é feita de forma gradativa e suas importâncias surgem ao longo dos fatos vividos pelo protagonista, Lloyd Vogel, interpretado por Matthew Rhys.

     Rhys é um ator mais conhecido no universo das series e aqui ele assume o seu primeiro protagonismo, não compromete, mas seu trabalho parece que demorou a engrenar, no segundo ato em diante ele consegue passar toda angústia, raiva e demais sentimentos que o seu personagem carrega. No elenco principal ainda temos Susan Kalechi, que tem um papel importante na trama e transmite com mais facilidade as necessidades que o ambiente do filme pede. Chris Cooper está bem ao seu estilo e traz um personagem que te faz sentir raiva, se era essa a intenção, acertou! O restante do elenco está operacional.

    Um Lindo Dia Na Vizinhança é um filme que te prende pelas emoções e te passa mensagens importantes sobre a vida, sobre as pessoas e sobre as crianças. Algumas frases causam um certo impacto quando surgem na tela, tipo: “Nós admiramos as crianças pelo que elas serão e não pelo que elas são”, quem nunca presenciou alguém querendo que o filho seja o que tal pessoa não conseguiu ser? Se você se permitir, terá uma boa experiência e poderá desfrutar de um filme íntimo que só a delicadeza de uma diretora que parece saber falar sobre a vida tem.

não há vida normal sem sofrimentoM. Rogers

  • Um Lindo Dia Na Vizinhança
  • Duração: 109 minutos
  • Diretor: Marielle Heller
  • Roteiro: Micah Fitxerman-Blue e Noah Hapster
  • Elenco: Tom Hanks, Matthew Rhys, Susan Kalechi Watson, Chris Cooper
%d blogueiros gostam disto: